A importância das áreas verdes urbanas para a sociedade brasileira.

As áreas verdes urbanas são consideradas como o conjunto de áreas intraurbanas que apresentam cobertura vegetal, arbórea (nativa e introduzida), arbustiva ou rasteira (gramíneas) e que contribuem de modo significativo para a qualidade de vida e para o equilíbrio ambiental nas cidades. Essas áreas estão presentes nas áreas públicas; nas áreas de preservação permanente (APP); nos canteiros centrais; nas praças, nos parques, nas florestas e nas unidades de conservação (UC) urbanas; nos jardins institucionais; e nos terrenos públicos não edificados.

Figura 1.

De acordo com o Art. 8º, § 1º, da Resolução CONAMA nº 369/2006, considera-se área verde de domínio público “o espaço de domínio público que desempenhe função ecológica, paisagística e recreativa, propiciando a melhoria da qualidade estética, funcional e ambiental da cidade, sendo dotado de vegetação e espaços livres de impermeabilização”. Essas áreas trazem bastantes benefícios, como, combater a poluição, favorecer a biodiversidade, facilitar o controle da temperatura e da umidade e abrigar espécies animais e vegetais. Além dos benefícios ao meio ambiente e às espécies animais e vegetais, elas também ajudam os seres humanos a relaxar, a descansar, e é o espaço ideal para fazer atividades físicas e reuniões em família ou entre amigos.
As Áreas de Preservação Permanente foram instituídas pelo Código Florestal (Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012) e consistem em espaços territoriais legalmente protegidos, ambientalmente frágeis e vulneráveis, podendo ser públicas ou privadas, urbanas ou rurais, cobertas ou não por vegetação nativa. E a manutenção das APP às margens dos rios em meio urbano possibilita a valorização da paisagem e do patrimônio natural e construído (de valor ecológico, histórico, cultural, paisagístico e turístico). Esses espaços exercem, do mesmo modo, funções sociais e educativas relacionadas com a oferta de campos esportivos, áreas de lazer e de recreação, oportunidades de encontro, contato com os elementos da natureza e educação ambiental (voltada para a sua conservação), proporcionando uma maior qualidade de vida às populações urbanas, que representam 84,4% da população do país, mas os efeitos indesejáveis do processo de urbanização sem planejamento, como a ocupação irregular e o uso indevido dessas áreas, tendem a reduzi-las e degradá-las cada vez mais.

Para concluir, as áreas verdes urbanas, definidas como toda vegetação que compõe o cenário ou a paisagem urbana, é um dos componentes bióticos mais importantes das cidades, pois desempenham várias funções ambientais e proporcionam uma melhor qualidade de vida às populações urbanas, sendo dividida em áreas verdes (parques, bosques, praças e jardins) e arborização de ruas (vias públicas).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *