A situação do lixo no Brasil

Em 2012, a Rede Globo passou a exibir uma telenovela que foi sucesso tanto no Brasil quanto em mais outros 130 países. Avenida Brasil, escrita por João Emanuel Carneiro, era apresentada no horário nobre da televisão e foi exibida entre março e outubro.

Fonte: TV Globo

Um dos universos importantes em que a trama se passa é o lixão. É no lixão que os protagonistas da obra se conhecem e são acolhidos por mãe Lucinda, interpretada por Vera Holtz. No entanto, esse ambiente da ficção vai além da tela de uma televisão.

Em outubro de 2010, o Ministério do Trabalho flagrou 118 crianças, entre 3 e 17 anos, que trabalhavam em lixões, em condições degradantes na cidade de Boa Vista – Roraima. Essa realidade influencia diretamente na formação intelectual da criança, que por viver nesse ambiente, não frequenta a escola. Prova disso são os dados de uma pesquisa do Fundo das Nações Unidas para a Infantil (Unicef), os quais apontam que 30% das crianças em idade escolar nunca frequentaram a escola.

Foto: Michael Melo/Metrópoles

Entretanto, o lixo é um problema ainda mais abrangente. Além de ser despejado, na maioria das vezes, em locais inapropriados, a produção dele, pelos brasileiros, ainda é um número muito elevado. De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), em 2016, cada brasileiro produzia, em média, 383 kg de lixo anualmente. Em contrapartida, 58% desse lixo era destinado corretamente. Além disso, a maior concentração de lixões a céu aberto é no Nordeste, 20.043,5, seguida do Sudeste, 13.755,9, e Norte, 6,279. Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Por mais alarmante que seja a situação, há algo sendo feito: conforme o diretor-presidente da Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), Carlos Silva Filho, têm-se aumentado as iniciativas de coleta seletiva. Em 2014, 65% dos municípios do país tinham alguma ação de coleta seletiva, pública ou privada.

 

Matéria por: Camila Gerônimo – Estudante de Jornalismo – Universidade Federal de Sergipe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *