Os desafios do envelhecimento da sociedade brasileira e as suas consequências.

O envelhecimento populacional está ligado à queda da fecundidade e da taxa de mortalidade, bem como ao aumento da expectativa média de vida das pessoas. As melhorias na saúde e na qualidade de vida são fatores determinantes desse processo, e isso gera impactos positivos, quanto à média de vida das pessoas, e negativos, quanto aos efeitos na economia de um país.

Um dos fatores que contribuem para esse envelhecimento populacional é a expectativa média de vida brasileira, que aumentou significativamente nos últimos anos, estando em uma média atual de 76,7 anos. Fatores como acesso à saúde (ou melhores condições médico-sanitárias) e qualidade de vida também contribuem para esse processo, bem como o aumento da renda e o acesso à informação e à educação, sendo assim, a população saberá cuidar-se mais e terá mais acesso aos bens e aos serviços necessários a esse envelhecimento bom e saudável.
O envelhecimento da população, no Brasil e no Mundo, traz diversas consequências, e elas nem sempre são positivas, apesar de que, ter uma população idosa significa melhorias nas condições políticas e sociais de um país. O envelhecimento aumenta de forma diretamente proporcional às demandas sociais e econômicas de um país, o que afeta a política previdenciária, que toma conta de fatores como: assistência social ao idoso e à aposentadoria, idade mínima para aposentar, proteção social, entre outros. Além dos aumentos dos gastos com a previdência, esse fenômeno está atrelado à redução da chamada População Economicamente Ativa(PEA), ou seja, o número de pessoas que possuem condições de trabalhar e que contribuem para o sistema previdenciário local. Desta forma, com o envelhecimento da população, há uma redução da mão de obra disponível para trabalho e ainda uma maior pressão sobre o sistema previdenciário, que carece de contribuições da população economicamente ativa para pagar aposentadorias e pensões.

Figura 1.

De acordo com a demógrafa do IBGE, Izabel Marri, a partir de 2047, a população deverá parar de crescer, contribuindo para o processo de envelhecimento populacional quando os grupos mais velhos ficam em uma proporção maior comparados aos grupos mais jovens da população. A relação entre a porcentagem de idosos e de jovens é chamada de “índice de envelhecimento”, que deve aumentar de 43,19%, em 2018, para 173,47%, em 2060.
A queda da taxa de fecundidade é a principal causa do envelhecimento da população, que é explicada por vários motivos, como a entrada da mulher no mercado de trabalho e a reurbanização, pois no meio rural, as famílias tinham a ideia de que era necessário ter muitos filhos para ajudar nos trabalhos do campo, o uso de contraceptivos, a educação sexual, a crise previdenciária e o planejamento familiar.

A fim de concluir, vimos que o envelhecimento da população significa melhorias nas condições políticas e sociais de um país, mas, por outro lado, traz consequências negativas para o país, já que aumenta de forma diretamente proporcional às demandas sociais e econômicas de um país, o que afeta a política previdenciária e a População Economicamente Ativa(PEA), isto é, o número de pessoas que possuem condições de trabalhar e que contribuem para o sistema previdenciário local.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *