Um dia comum

Um dia de sol, todo estropiado, o gato miava na casa do vizinho e o galo meio perdido miava as três da tarde.
_ Talvez o dia pudesse tá mais um pouco friozinho, acha não?
_ Até que podia, porém ele não quer
_ Oxi, precisa me responder com quatro pedras na mão?
_Claro que não, porém eu quis
_Quem te criou assim pra ser tão mal-educado?
_O tempo
_O tempo? Ta doido é? Desde quando o tempo cria alguém?
_Claro que cria, ele me fez crescer, se o tempo não anda eu não cresço
_Até que pode fazer algum sentido, mas o tempo não é tão amargo quanto você
_Claro que ele é, ele é não volta, é sincero e não se importa se pedem pra parar
_Mas ele também diminui as dores, faz a gente esquecer de coisas que é melhor nem lembrar
_Essa parte eu não aprendi não, tempo é um pai ausente que só passa e deixa o quer, de resto aprendi na marra
_Então cê aprendeu?
_Não, deu preguiça de tentar
_Meu Deus! Tu tem preguiça de ser uma pessoa melhor?
_E pra quê ser melhor? O que eu ganho com isso?
_Sei lá, alguém pra te suportar
_Tenho meus cigarros, eles não me largam e só me deixam depois do fim
_Mas fazem mal
_E qual relação não faz?
_Não sente falta de um amor?
_Não tenho isso, levaram faz tempo
_Quem foi que levou e não te devolveu?
_O tempo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *